Uma das subespecialidades da cirurgia plástica envolve o tratamento através da retirada (exérese) de tumores de pele.

Os tumores benignos costumam ser bem delimitados, de crescimento lento, de bordas delimitadas e cor única, sem sangramento espontâneo. Acrocórdons podem ser retirados pela cirurgia plástica com pinça e tesoura e, posteriormente, cauterizados.

Tumores malignos podem ser caracterizados por bordas mal delimitados, crescimento rápido, presença de mais de uma cor e sangramento espontâneo. São tratados pela cirurgia com a retirada com margem de segurança. Os tumores malignos de pele principais, tratados pela cirurgia plástica, são:

• melanoma maligno
• carcinoma basocelular (CBC)
• carcinoma espinocelular (CEC – escamocelular)

Destes, o melanoma é o mais agressivo e o carcinoma basocelular é o menos agressivo e o mais comum. O único tumor maligno que pode ser apenas cauterizado é o basocelular.

A cirurgia plástica de tumores malignos de pele envolve a retirada com margem de segurança, a depender do tipo histológico e da profundidade do tumor. Em casos mais avançados, com tumores maiores ou que necessitem de investigação de envolvimento ganglionar, a cirurgia para retirada de tumor é realizada pelo médico oncologista e o fechamento do defeito é realizado pela equipe de cirurgia plástica.

A recuperação da retirada de tumores malignos costuma ser bastante tranquila. Várias técnicas podem ser utilizadas para o fechamento após a retirada do tumor, entre elas: fechamento simples, enxerto de pele e retalhos de pele.

Compartilhe com um amigo(a)










Enviar